sábado, 20 de novembro de 2010

Louro cinza claro




Ontem, quando finalmente saiu o sol, resolvi clarear o meu cabelo e me lembrei que tinha dois tubos de tinta louro cinza claro, esse ai da imagem.
Fui no meu armário de produtos para cabelo, isso mesmo, eu tenho um armário de produtos para cabelo, e peguei uma das caixinhas e fiquei sonhando que meu cabelo ia ficar igual ao da modelo.
Só em sonho mesmo, pois o meu cabelo ficou com tres tonalidades de ruivo diferentes e com o meu antigo reflexo em louro cinza claro.
Como já era tarde quando acabei, resolvi deixar a segunda caixa para ser usada no dia seguinte.
Está certo que a minha cor de cabelo jamais será perto da caixinha, mas ficou mais manchado do que já estava antes.
Ainda olhei para ver a cor estimada para a minha tonalidade e não cheguei nem perto!
Depois parei para me lembrar por que tinha duas caixas dessa tintura guardada e me lembrei que a minha última experiência com a cor tinha sido algo em torno de cinco tons de bege diferentes.
Está certo que não sou nenhuma tola e aprendi - no curso de cabelereiro que comecei e não terminei - que tintura não clareia tintura, mas a única tinta que nunca se sabe que cor vai ficar é o maldito louro cinza que, dez entre dez mulheres que querem ficar louras querem que o cabelo fique "louro cinza claro".
Certa vez, uma amiga de curso trouxe o seu filho de seis anos para cortar o cabelo e ele tinha a maldita da tonalidade natural!
Foi um tal da mulherada pedir para a professora dizer como conseguia aquele tom que não foi mole!
A resposta era sempre a mesma: descoloração!
Acho que a modelo da  caixa ou teve os cabelos descoloridos antes da tintura, o que não tem graça nenhuma, pois na hora que a gente sai do salão fica linda, mas depois que lava fica parecendo que tem uma vassoura no lugar do cabelo, ou teve o cabelo colorizado por computador.
Eu digo com todas as letras que jamais consegui o tom da caixinha, nem tomando muito sol no "quengo", após a colorização.
Falando em cabelos, a parte mais sensível da mulher é, sem dúvida o cabelo. Sem ele a mulher se sente praticamente nua.
Há mulheres que passam praticamente a vida toda sem mudar o corte ou a cor, mesmo que o melhor profissional lhe diga que não fica bem.
Eu faço mais o tipo camaleoa, estou sempre inovando e, para dizer a verdade, acho que no catálogo de tintas, acho que eu ainda não deixei uma só escapar. 
Até de azul já pintei o meu cabelo e, se a idade me fosse favorável, usaria os tons de rosa, verde e violeta que já estão à disposição em nível nacional.
Também gosto de mantê-los curtos, pois a quantidade de química que uso para mantê-los lisos e coloridos é bem menor e, se cairem, as pessoas também não vão estranhar muito.
Certa vez usei tanto descolorante para tentar tirar uma tintuta preta do meu cabelo que ele se desfazia ao tocar!
Foi quando apareceu uma festa para irmos e não tinha o que fazer com eles. Resolvi usar a máquina de corte no menor pente.
Quando as pessoas chegavam perto de mim e me perguntavam sobre o meu cabelo dizia que tinha sido a quimioterapia. Afinal, era mais fácil fazer as pessoas sentirem pena de mim e evitar perguntas do que tentar explicar como eu fiz aquela "eca" com ele.
Eu prometo que se tiver coragem de tirar uma foto dele como está, publico aqui vocês avaliarem.

2 comentários:

Aмbзr Ѽ disse...

nossa, olha, katia, ja sofri muito por quimica, teve um produto que passei no meu cabelo e ocorreu o mesmo, meu cabelo dissolveu na minha mao. hj, aprendi a lição: quimica só em salao de beleza. e vc tem razao
a cor nunca fica igual da caixinha.

http://terza-rima.blogspot.com/

Katia Cristina disse...

Eu aprendi uma coisa: Se não puder freqüentar um bom salão, melhor fazer um curso e fazer sozinha, pois os salões baratos são formados por cabeleireiros que freqüentam cursos baratos, onde não se aprende quase nada - por isso parei o meu.
Aprendi mais na internet do que nele.
bjs