segunda-feira, 16 de maio de 2011

I need a hero!




Uma coisa eu tenho que admitir no Norte-americano: Quando tudo vai mal, eles criam um novo herói para estimular a população.
Quando houve o anúncio da suposta morte do Bin Laden o povo foi para as ruas comemorar!
Por que não criamos um herói para estimular a nossa população?
Pegamos alguém que tenha feito algo heróico, importante, e ficamos falando sobre isso durante horas nos noticiários da TV até convencer a população que fazer o bem é que legal.
O que vemos é justamente o contrário: A TV pega um fato ruim, como o massacre na escola Tasso da Silveira e divulgam incessantemente divulgando, principalmente o nome do agressor, mas alguém se lembra do nome do policial que atendeu a ocorrência?
E do menino que, mesmo baleado procurou por ajuda?
Alguém sabe o nome do bombeiro que estava indo para casa quando se deparou com dois estudantes baleados e resolveu socorrer?
Do morador que socorreu as crianças?
Está na hora da imprensa parar de crédito a bandido e começar a falar mais dos heróis.
Boas ações geram boas ações.




Não estou dizendo para a imprensa omitir fatos ruins, apenas para mudar o foco da notícia.
O fato do massacre do colégio poderia ser divulgado de forma a falar mais dos heróis do que dos bandidos.
Devíamos ouvir mais o nome do policial Márcio Alves do que do Welligton.
Mas o que se ouve, no geral, é que ele cumpriu o seu dever, mas só por um momento se coloquem no lugar dele e imaginem que esse policial é um herói à partir do momento que sai da sua casa e vai para o trabalho, pois a sua carteira de policial já coloca a sua cabeça a prêmio!
Vamos valorizar quem realmente tem valor nesse país e quem sabe nas próximas eleições, pensaremos duas vezes antes de votar em Tiriricas.

7 comentários:

A. Reiffer disse...

O nosso herói existe, é o Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Muito bem lembrado, Katia. Abraços!

Katia Cristina disse...

Querido
Macunaíma, como vc disse era um herói sem caráter, não quer dizer que seja mal caráter. Ele apenas era um ser indefinido, fazia as coisas sem a intenção de prejudicar as pessoas, mas sabemos que o ser humano não é assim.
Nem o sujeito que matou o Bin Ladem agiria assim. O que eu quis dizer é que sujeito que matou o Bin Laden acreditava que estava vingando as pessoas que morreram em 11 de setembro.
Esse é o sentimento que temos que plantar em nosso povo.

Ligéia disse...

Kátia, o mesmo eu digo sobre os médicos. Eles fazem de tudo para salvar a vida de alguém, e quando, enfim, dão a boa notícia à família, as pessoas saem dizendo que foi Deus quem salvou seu ente querido, ninguém se lembra dos médicos. As pessoas têm o direito de ter fé, de agradecer a Deus, mas não podem se esquecer dos que trabalharam pra isso. Agora, qdo o médico não consegue, ou erra, aí sim, ele é lembrado!

Ligéia disse...

Kátia, esqueci de mencionar que o herói do Brasil é um drogado, louco e irresponsável chamado Cazuza.

Katia Cristina disse...

Ligélia, querida

Tem tb o Lampião, o Lúcio Flávio,o Mariel Maryscotte, e por ai vai...

Ligéia disse...

E os "heróis" da nave Big Brother...

Katia Cristina disse...

Esses ai nem comento, pois uma pessoa com a inteligência do Pedro Bial, falar uma coisa como essa só pode ser escárnio! Acho que ele deve estar guardando algo para a biografia dele. Tipo: "Como eu fiz o Brasil inteiro acreditar que um bando de idiotas poderiam ser chamados de heróis" ou " Quando eu crie heróis idiotas para um povo idiota".
Acho que nós blogueiros deveríamos falar mais sobre o que é herói para nós!!
Talvez fosse uma sementinha.