segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Sou brasileiro e não desisto nunca




Já faz tempo que essa história de ser brasileiro e perseverar já virou piada.
Está certo que desistir não é muito típico do ser humano, já que o número de suicídio é muito baixo, mas achar que apesar de tudo que acontece temos de insistir, ao invés de nos revoltarmos, é nos chamar de idiotas.
Quando a campanha entrou no ar nos meios de comunicação, eu não tinha entendido a sua verdadeira intenção e achei até de um grande incentivo à população.
Falar para um brasileiro que ele não deve desistir, apesar da adversidade, é o mesmo que dizer: “Não importa o quanto a situação esteja ruim, você deve continuar lutando sem reclamar”.
E a situação piou tanto que o brasileiro não tem mais tempo nem para parar e pensar no que está transformando a sua vida em algo tão ruim.
Mudou a moeda, piorou o ensino, surgiram mais impostos, mas “eu sou brasileiro e não desisto nunca”.
Não é que eu não queira lutar, mas eu “tenho fazer a minha revolução nas urnas”, mesmo que não haja ninguém descente para votar.
Porque não temos um sistema de segurança pública eficiente, surgiram as milícias. Agora imaginem se já era difícil combater a contravenção, com a milícia ainda ficou pior, pois, de certa forma, também é contravenção.
O brasileiro já estava acostumado com as campanhas política, onde políticos de partidos oponentes se digladiavam em troca da atenção do eleitor, mas hoje a situação está tão grave que políticos do mesmo partido estão lutando entre si. É a verdadeira autofagia política, uma vez que um quer derrubar o outro para ocupar seu cargo.
Historicamente falando, podemos dizer que a coisa começa quando o Brasil é descoberto e passa a ser uma colônia de exploração e não de povoamento, mas acho que o tempo já passou um pouquinho demais para usarmos uma desculpa tão tacanha quanto esta, afinal só se acreditarmos em vidas passadas para crer que isso continua na inconsciente social dos brasileiros.
A coisa foi se agravando de tal maneira que as pessoas desaprenderam como conversar. Sim! Como “jogar conversa fora”, despretensiosamente.
Tudo tem que te que uma razão, não se pode “perder tempo” sem razão.
Chegamos ao final do dia esgotados, pois, a pressão é maior do que há tempos atrás, pois além de nos preocuparmos com o nosso sustento, temos que nos preocupar com aquele que quer ocupar o nosso lugar. E esse, pode ser qualquer um.
A campanha “sou brasileiro e não desisto nunca” repercutiu negativamente na população, tornou-a apática e voltada apenas para seus próprios objetivos, esquecendo o social.
Já está circulando campanhas bem mais voltadas para o social.
“Quando eu mudo o mundo muda” é uma campanha que visa mostrar que se cada cidadão mudar o mundo todo irá mudar. Concordo plenamente, mas isso só irá acontecer em + ou – um século e tenho certeza que não viverei para ver tal coisa.
Até eu que não sou muito entusiasta desse tipo de coisa resolvi mudar algumas atitudes minhas em relação a outras pessoas.
Essa coisa de ser brasileiro e não desistir nunca deve ter surgido para que as pessoas não questionem a dificuldade de sua vida e continuem lutando, apesar de tudo.
Mas por que a vida do brasileiro é tão difícil?
Por que as pessoas não têm os princípios básicos para uma vida melhor. Por que a saúde, educação, saneamento básico lhe é negado.
O governo diz não ter dinheiro suficiente para resolver todos os problemas da população.
Mas se no Brasil pagamos mais impostos do que em países como a Alemanha, como não podemos levar uma vida mais digna?
Se duvida, consulte o site e veja as cifras no site: http://www.impostometro.org.br/
Segundo o “impostômetro” até hoje, dia 10 de agosto de 2009, 16:34 da tarde, cada habitante já pagou 2.598,24 de imposto de janeiro até agora.
Os números são absurdos, mas o que é feito com todo esse dinheiro?
Agora estamos em meio a uma nova epidemia. O vírus H1n1 entrou no país e não encontrou resistência alguma. O Tal remédio milagroso, o Tamiflu, é uma droga perigosíssima que causa alucinações e pode levar ao suicídio!
O governo comprou um princípio ativo de uma droga, que não sabemos qual é, e está fazendo comprimidos em larga escala para ser distribuído apenas para quem tiver a doença diagnosticada.
Podemos garantir que esse diagnóstico será preciso, já que os sintomas da doença são iguais aos de tantas outras?
Nossos médicos não são piores do que em outros países, o problema é que em outros países as ações são mais rápidas porque tem material a disposição.
Então eu volto a perguntar: Onde está o problema?
O problema está no senado, na câmara de deputados, na câmara de vereadores.
Se a corrupção não deixar sobrar dinheiro para dar melhores condições de vida para a população muito em breve não sobrará povo para ser governado em nosso país.
Medidas paliativas não enganam mais.
O povo está tão revoltado com toda essa situação que na sexta-feira gritava para que um policial atirasse em um assaltante desarmado.
Essa revolta tem que dar vazão em algum lugar!
Basta ver em qualquer noticiário que manifestação pacífica não existe mais. O povo quando invade uma instalação qualquer do governo destrói tudo!
Não queremos mais esmolas! Queremos o que nos é de direito!
Estamos cansados de sermos brasileiros e não desistir nunca!

video

Nenhum comentário: