terça-feira, 27 de julho de 2010

A natureza é irritante – Parte 2: Se beber não se mude para a zona rural.





Depois do zilhionésimo ônibus passar na frete da nossa porta e perdemos mais um diálogo importante do capítulo final da novela – que já nem me lembro mais qual era – eu e meu marido resolvemos abrir aquela garrafa de uísque enviada pelo patrão dele para afogar as mágoas.
Alguns poderiam afirmar: o último capítulo tem reprise, mas não dava para fazer uma barricada e impedir o tráfego dos ônibus e afins, a única solução era beber.
Fomos para o escritório, ligamos o som no seu último volume em suas 4 caixas de som e começamos a ouvir Elis Regina.
Idéia mais que infeliz, pois nessa hora meu marido resolveu mudar para a zona rural.
A gente sabia que não tinha dinheiro para comprar um sítio, nem uma casa, mas dava para comprar um terreno.
Comprar um terreno e erguer a fundação da casa, isso dava para fazer. Subir tijolo era rápido, barato e, se a música falava em “pau a pique, sapê”, estávamos bem melhor, pois seria de tijolos.
O grande e maior problema de tudo é que pagávamos aluguel e o dinheiro para a obra estava começando a rarear.
Solução encontrada: Mudar para a casa com ela estava!
Alguém se lembra da música “A casa” de Toquinho e Vinícius?
Era a própria!
Chegamos com a mudança em um domingo e a primeira coisa que aconteceu depois de colocarmos tudo dentro dela foi chover.
O fato poderia passar despercebido se as janelas tivessem vidros, mas as janelas não tinham vidros. E era chuva de vento.
Logo a casa tinha um enorme rio passando por dentro dela molhando todas as caixas de papel onde estavam “nossos tesouros”.
Como era verão, no dia seguinte o sol amanheceu mais que brilhante!
Detalhe: As janelas não tinham venezianas e, assim que o sol nasceu eu acordei.
Era hora de começar a abrir as caixas e ambientar uma criança de 2 anos.
Portas trancadas, coisa natural em pessoas urbanas, meu filho saiu na janela e admirado me chamou:
- Mãe! Tem um cavalinho no jardim!
Natural ter um cavalinho no jardim, a gente não tinha nem vidros, quanto mais muros.
- É, meu filho!
- É, mãe, o cavalinho olhou para mim e fez múúúú!
Era uma vaca.
Comecei a repetir para mim: “Eu fiz a opção certa”. Acho que isso virou uma espécie de mantra porque continuo a repetir isso 13 anos depois.

O nosso terreno estava muito bem localizado em um condomínio fechado com clube privativo, mas isso tudo não aconteceu até hoje, apesar de eu todos os dia perguntar quando as obras vão terminar e ouvir a mesma resposta há 13 anos: Daqui a 3 meses.
Detalhe: quando mudei, isso aqui parecia uma selva, pois não tinha água, luz ou esgoto!
Tudo era “no gato”. Ninguém estava nem ai para a gente. A gente era apenas um bando de morto de fome fugindo da grande metrópole.
As pessoas foram se cansando, descasando, mudando, mas nós continuamos aqui, firmes e fortes e repetindo o nosso mantra:
“Eu fiz a opção certa, eu fiz a opção certa, eu...”

E se fosse o meu ou seu filho?






Um carro faz o retorno dentro de um túnel, passa para uma pista interditada para manutenção e atinge um jovem esqueitista.
O carro sai do túnel totalmente destruído, é parado por uma viatura policial que pedem 10.000,00 para “abafar o caso”.
O jovem paga 1.000,00 de imediato ao policial e acerta o pagamento do restante para o dia seguinte.
Tudo estaria “certo” se o atropelamento não fosse parar em todos os canais da mídia.
O filho de Cissa Guimarães tinha sido atropelado e morto em um túnel da Zona Sul do Rio.
Todo “esquema” montado caiu por terra. Não tinha mais como esconder o caso.
Em um primeiro momento não tinha câmeras de segurança, agora até as câmeras da Rede Globo já registraram o “acontecido”.
Se fosse o meu ou seu filho o caso teria sido diferente, pois ninguém ia noticiar o caso, os policiais iam receber o dinheiro e faria parte da estatística.
Para a atriz global, pouca diferença vai fazer condenar ou não o responsável, pois o seu filho não vai voltar, mas se fosse no meu caso, o meu filho seria responsabilizado pelo acidente, o rapaz ia continuar dirigindo em alta velocidade, o policial continuaria “se alimentando” desse tipo de delito e ninguém ouviria nada sobre o assunto.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

A natureza é irritante - Parte 1 : Passeio ecológico





Aproveitando a enxurrada de programas de TV de cunho ecológico e a quantidade de “pacotes ecológicos” que estão tentando nos vender, resolvi mostrar que a natureza também pode ser irritante.
Falando dos “pacotes de turismo ecológico” vamos imaginar um simples: Uma bela caminhada pela Mata Atlântica: Você compra o pacote e, no dia marcado, faça chuva ou sol, tem que ir.
Você paga beeeeeeeeeeem caro para andar no meio da mata fechada, por uma trilha que não tem certeza da onde vai dar, tropeçando em galhos caídos, desviando de cobras e aranhas.
Isso sem contar que você deve usar roupas confortáveis, porém não deve esquecer o kit básico: água, barrinhas de cereais, chocolate, repelente e telefone celular.
Sim! Telefone celular, pois se tudo mais der errado você pode ligar para a família para se despedir ou pedir por socorro.
Certifique-se um dia antes de colocar a bateria para carregar!
Lembre-se de não usar um tênis comprado no dia anterior, pois isso pode ser um verdadeiro desastre. Essas caminhadas nunca demoram menos de uma hora!
O passeio começa cheio de expectativas, mas o tempo vai passando e depois de você olhas para uma centena de árvores que parecem todas iguais para você, começa a achar que fez uma grande besteira em insistir com  seus amigos para fazerem o passeio.
Mas você não vai confessar nem morto que está achando aquilo tudo uma chatice e vai ficar fazendo cara de satisfeito e maravilhado quando o guia te mostra um calanguinho igualzinho a centenas que passeiam pelo muro da sua casa.
Você anda, anda, anda e finalmente chega ao destino: normalmente uma cachoeira super gelada (que você entra só de raiva, nem que tenha que bater os dentes depois), uma vista das alturas do lugar como um todo (que você tem que achar bonito, afinal, essa trilha teve o agravante de ser íngreme), mas, no geral nem vale tanta à pena assim.
É nessa hora que a “turma da farofada” resolve abrir as bolsas e tirar aquele frango assado de padaria para fora e encher o bucho do pessoal. Se você achou que o passeio nem foi grande coisa assim e resolve cair de boca na comida, melhor se lembrar que vai ter que voltar pelo mesmo caminho que veio.
Na volta você já está suficientemente irritado, chateado, agoniado e esquece-se de passar o repelente e os mosquitos começam a te picar em todos os locais possíveis.
Eu juro que, certa vez, matei uma carreirinha de pernilongos na minha perna!
Era tanto sangue que escorria pela perna...
Você volta e fica torcendo para seus amigos estarem bem cansados para reclamarem, pois amanhã você pode dar um jeito de sumir para não ouvir as reclamações.
Quando as milhares de pessoas que você convidou para fazer o passeio com você vierem te perguntar como foi, você fala que foi maravilhoso, que foi uma pena ela não poder ter ido e fala que vai colocar as fotos no seu Orkut para ela ver.
Não se esqueça de passar o dia seguinte com roupas que possam cobrir seus braços e pernas porque senão ninguém vai achar que o passeio foi tão bom que valeria à pena ficar todo lanhado. 

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Casa no campo





Impulsionado pela música Casa no Campo de Zé Rodrix, meu marido resolveu nos mudar para mais perto do campo, porém, depois de 13 anos morando no local, eu agora gostaria de fazer a minha análise da música:


Casa no Campo

Composição: Zé Rodrix / Tavito

“Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rocks rurais”

Nesse ponto exato fico imaginando o Zé Rodrix sentado ao piano procurando a nota certa para dar continuidade à sua música quando um enorme peru berra.
Pronto! Tem que começar do início!

“E tenha somente a certeza
Dos amigos do peito e nada mais”

Isso é realmente engraçado, pois quando você se muda para longe e um amigo aparece para te visitar é porque é teu amigo mesmo. Ninguém dirige quilômetros para visitar alguém de que não goste muito.

“Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar do tamanho da paz”

Depende do que se considera paz ou início da loucura, pois quando o único som de vida humana que você ouve vem de você mesmo é quase de enlouquecer.

“E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais”

Isso realmente a gente consegue, pois tem um monte de mato em volta que você tem dar cabo para não se sentir o Tarzan no meio da selva e não consegue uma pessoa eficiente para fazer isso. Também tem a lama, a falta de esgoto...

“Eu quero carneiros e cabras pastando
Solenes no meu jardim”

Daí se vê que ele nunca esteve ou chegou a ter uma casa no campo, pois as duas coisas são antagônicas, pois ou se tem cabras e carneiros ou jardim. Essa praga come até plantinhas em vasos.

“Eu quero o silêncio das línguas cansadas”

Só se é por não ter com quem conversar, pois você longe de tudo e de todos começa a fica pobre e burro.

“Eu quero a esperança de óculos
E um filho de cuca legal”

Só porque você mora isolado não quer dizer que seu filho vai ser um nerd ou que não vai pensar em fazer besteira.

“Eu quero plantar e colher com a mão,
A pimenta e o sal”

Se as lagartas, os caramujos, as formigas, os besouros e insetos que nem sei denominar não comerem.

“Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau a pique e sapê”

Isso é que realmente é utopia! A umidade acaba com tudo em uma casa de tijolos e cimento, agora imaginem de pau a pique e sapê!

“Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros e nada mais”

Esqueça os amigos, os livros as traças comem tudo e os discos ficam sem capa e totalmente estragados com a umidade!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Consultório Médico






Era um dia como outro qualquer e Mariana vai bem cedo para o trabalho, afinal era ela a responsável por abrir o consultório médico de Dr.ª Cláudia.
Abriu a porta, sentou-se em sua mesa, organizou algumas fichas e atendeu alguns telefonemas.
No decorrer do dia não houve nenhum fato que chamasse sua atenção, entretanto, no final da tarde uma mãe liga desesperada pedindo um “encaixe” com a doutora.
Mariana aperta daqui, espreme dali, reza para algum paciente faltar para que não tivesse que ficar depois da hora e não perder sua aula.
No horário determinado a senhora chega com o filho, Mariana faz a ficha e encaminha ao consultório.
A mulher se mostrava impaciente e Mariana muito mais porque não queria perder suas aulas noturnas.
A hora ia passando e a mulher de 5 em 5 minutos perguntava a Mariana se ainda demoraria muito.
Mariana sorria delicadamente, mas via o menino em plena atividade e não compreendia qual seria a urgência que levara aquela mãe ao consultório, entretanto não era seu dever julgar.
Por fim, resolveu entrar no consultório e pedir para que Dr.ª Cláudia atendesse o menino, pois via a aflição da mulher.
Gentilmente, Dr.ª Cláudia atendeu ao pedido da sua secretária, que depois de tantos anos já tinha se tornado sua amiga.
Mal Mariana saiu do consultório e sentou-se em sua cadeira, Cláudia aparece na porta e chama pelo nome do paciente tal qual estava escrito em sua ficha e que Mariana havia copiado da certidão de nascimento da criança.
- Lestigo!
A mãe nem se mexeu.
Dr.ª Cláudia olha espantada para Mariana e repete:
- Lestigo!
Mariana olha para a mulher e fala:
- Senhora, é sua vez!
A mulher indignada olha para a médica e pergunta:
- Qual o nome que a senhora chamou?
A médica repete:
- Lestigo!
A mulher mais indignada ainda retruca:
- A Dr.ª não sabe ingrês não?
- É Let’s Go!



OBS: Gostaria de informar que todas as estórias contadas em meu blog e que levam o marcador pessoas realmente aconteceram, entretanto os nomes e alguns locais foram trocados para ninguém me processar.
No entanto, cada um dos “causos” contados não foram em segredo, portanto, resolvi publicá-los.
“Eu aumento, mas não invento.”

Poemas de Liliane




Por falta de palavras
Adormeço em cima do coração.
Por falta da sua presença,
MInha alma fica na 
Eterna solidão!

Liliane França




Volto porque tenho sede
Sede do seu amor
Volto porque sou a corda do seu coração
Volto porque você está em mim
Volto porque somos um só!
Volto para sorrirmos juntos
E por querer você muito mais...
Volto porque sem você eu não vivo
Porque estar de volta é a realidade que preciso
Para poder deixar meu coração em cada batida
Dizer Te Amo!!

(resposta à um pedido de reconciliação!)

Liliane França





MENINA LOIRA

Você menina loira
Que nos olhos traz um brilho
E na boca um sorriso

Você dos cabelos longos
Amarelos como ouro
De anjo tens o rostinho
De beleza, tudo um pouquinho

Teu coraçãozinho vive a pulsar
Pelos rapazes que vês passar
Mas uma coisa te digo
Não te deixes enganar

A vida é bela , eu sei
Mas traz muitos dissabores
Não vá encher teu coração
De mil e um amores

Porque gostar é bom
Amar é melhor
Mas o principe encantado
Não perdes por esperar

Esse sim
De mansinho vai chegar
Para em teu coração
Eternamente ficar!

Liliane França





SONHO

Sonhei um dia ser feliz
Ao seu lado viver e sorrir
De mil quimeras , castelos construí

Fascinada vivia a cantar
Porém sem imaginar
Que um dia a tristeza
Viesse comigo morar

Hoje sou como um pássaro
Que triste
Não pode mais cantar

Porque apenas lamenta
Por seu companheiro
Ver partir pra nunca
Mais voltar

Liliane França



SONHO II

Sonhei...
Sonho vago
E você , nele estava...
Mas como nuvem passageira,
Foi o sonho muito rápido.
Quando acordei,
Senti-me triste
Porque feito bolha de sabão
O sonho se desmanchou
Iludindo meu coração
Que está cheio de ilusão...

Liliane França



ENGANO

Pensei ter visto você
Outro dia na multidão.
Mas que desilusão!
Não era você não!

Procuro nas pessoas
Algo que lembre você
Mas ninguém é igual
Diz a razão!

O rosto
A voz
Os pensamentos
São diferentes dos demais

Esse mundo é tao pequeno
Quando vamos nos encontrar?

Liliane França





Querido, não me espere jamais.
Não vou voltar
Para os braços seus
Meu amor já não é mais seu
Vivo outra vida
Que você não mereceu.

No fundo do seu coração
Você sabe bem a verdade
Sonho com você
Dormindo ou acordada.

Porém a razão me faz
Levar adiante
A condição de mulher amada
Embora também eu saiba
Que por você
Sempre serei apaixonada!

Liliane França



Menina mulher
Coração cheio de bondade
Sonhos que ela sonha
Não são pela metade

Sincera e amorosa
Suas palavras são de conforto
Seu ânimo ela nos dá
Nas hora de maior confronto

Prima ou amiga, não importa
O que ela seja
O importante é que
Marta, da minha vida
Nunca desapareça!!

Liliane França


Poemas de Liliane





ARRUMAÇÃO

Resolvi fechar meu coração
Para um balanço fazer
Os sentimentos estão revirados
Que não sei como como vai ser

A felicidade está na última prateleira
A tristeza entrou pela porta e assentou-se na cadeira
A vontade de chorar, se alojou na soleira.

A saudade igual a uma doida,
Rodopia sobre os ladrilhos
O amor, coitado desse
Quebrou-se em cacos de vidros

Coração aguenta firme,
Balanço e faxina vão te fazer bem
Vou jogar fora o que não presta
E arrumar o que convém!

Liliane Araujo

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O que te irrita?

Eu não sou a pessoa mais bem humorada que eu conheço, mas eu tenho tentado manter minha ira cantando mantras e respirando beeeeeeeeeeeeem fundo!




Tem horas que tenho que falar para mim mesma: “Respira, respira, respira...”


Uma das coisas que mais me irritam é quando estou atribulada com algum problema real e alguém me aparece com uma solução mágica: “Confia em deus que tudo vai dar certo!”


Se tem alguma pessoa da família doente, confia em deus que ele vai melhorar.


Se a pessoa morre foi porque deus quis assim.


Outra coisa que me deixa irritada é ficar esperando para ser atendida em um consultório médico. A gente marca a consulta, chega antes do horário para preencher as fichas, pagar a consulta e nunca é atendido na hora marcada!


Até o começo desse ano éramos sócios de um parque aquático. Todos os sábados eu saía do meu curso e ia para lá para ser torturada por milhares de criancinhas mal educadas que, embora não soubessem nadar, só queriam pular no lado mais fundo da piscina.


Quando eu estava fora da piscina elas me molhavam inteira cada vez que pulavam e, se estava dentro da piscina, sempre tinha uma pedindo licença para continuar a sua caminhada agarrada na borda.


Isso era realmente muito relaxante!


Sem contar que criança não sabe falar baixo e nem andar calmamente, sempre tem uma correndo e esbarrando em você quando resolve se aventurar a ir ao banheiro.


Eu sou da opinião que criança deveria ficar congelada em um tanque igual aquele seriado Kyle xy. Quando elas tivessem idade para não gritar, correr ou encher a paciência de mais ninguém sairiam do tanque já desenvolvidas e com capacidade para aprender as coisas com extrema facilidade, apenas lendo livros ou consultando a internet.


Depois de ser torturada durante 4 anos freqüentando o tal parque aquático, decidimos que ficávamos muito presos a ele e resolvemos cancelar nosso título e nos aventuramos por horizontes diferentes.


No sábado retrasado, meu marido escolheu me levar para conhecer uma praia muito agradável: Barra de Guaratiba.


Lógico que planejou tudo em segredo, achando que ia me fazer a maior surpresa do ano.


Gente, eu gosto de morar perto da praia, não significa que eu goste de praia. Gosto do cheiro do mar ao final da tarde.


Depois de pegar alguns minutos de uma estradazinha muito agradável, cheia de curvas e de buracos, chegamos até a tal praia com uma estreita faixa de areia onde a maré subia e começava a tomar conta de tudo. Fazia um frio quase suportável e ventava o suficiente para eu saber que não comeria nada que não viesse temperado com areia.


A praia era menor que o quintal da minha casa e ficava menor a cada minuto que passava, pois o mar pretendia invadir tudo muito em breve.


Lógico que com tanto o que ver e tanta coisa para me distrair, logo fiquei irritada, mas, pelo menos o tempo estava ruim e não tinha aquele monte de criancinha irritante.


Pode até ser que tivesse mais praia se eu tivesse subido nas pedras, onde o mar batia revolto e tivesse caminhado pelo caminho escorregadio e propício a um acidente. Talvez se eu tivesse me aventurado no meio do mato a uma caminhada repleta de todo tipo de inseto desconhecido, subindo e descendo morros, pudesse ter aproveitado melhor a paisagem, mas se eu tiver que passar por tantas provações por um segundo de diversão, prefiro ficar em casa e entrar na internet. Pelo menos conheço os locais sem sair toda picada de pernilongos.


Nesse sábado, a chuva e o mau tempo nos impediram de sair, o que de certa forma me deixou aliviada, pois não ir ao clube é um alívio, mas também é como andar em uma montanha russa, pois nunca sei qual será o próximo lugar maravilhoso que irei conhecer.


Nessa quarta-feira é aniversário de meu marido e, por medo do que está por vir, já perguntei o que ele pretende fazer. Normalmente ele nos leva para almoçar em algum lugar onde servem um montão de massas calóricas ou carnes gordurosas, mas parece que este ano preferiu escolher um restaurante onde tem tudo que ele mais ama comer (calorias) e também tem a minha salada e o meu peixinho magro.


Também não terei que me aventurar em nenhum restaurante desconhecido que ele está morrendo de vontade de experimentar. Porque se tem uma coisa que me irrita profundamente é comer em um lugar que eu não conheço.

domingo, 18 de julho de 2010

Sensualidade: Seu nome é Shakira

Se existe uma definição para sensualidade, esta é Shakira.


A artista mais completa que eu conheço: Canta, dança e é linda demais.

Dona de uma voz invejável consegue ser sensual sem ser vulgar.

Eu que não sou nem um pouco chegada a futebol, ainda não tinha visto o clipe oficial na voz da bela, apenas hoje, após uma longa passada pelos blogs vi o clipe e resolvi publicar também.

Alguns de meus velhos amigos de faculdade me chamariam de brega, mas quem não comete seu pecadinho de vez em quando?

Conheço muita gente letrada que não perde um capítulo de novelinha e chega a chorar no final da traminha.

Aliás, ando meio desinformada do cenário Pop, mas me parece que hoje a cantora que faz mais sucesso é a Lady Gaga. Chegaram a compará-la com a Madonna, mas andei dando uma observada em suas músicas e achei que, em matéria de beleza, ousadia, talvez, mas suas músicas e suas atitudes em nada lembram Madonna.

A Madonna sempre incentivava as garotas a tomarem atitudes em relação ao amor, a correr atrás de seus sonhos e o que a Lady Gaga incentiva? Sexo, drogas, sexualismo exagerado, violência...

Não gostei, apesar do ritmo ser contagiante, os clipes serem bem produzidos, não acho que seja merecedora de minha atenção.

Falando em cantoras, o Brasil é o país das cantoras, mas faz tempo mesmo que não vejo aparecer uma cantora realmente que valha a pena.

Não se pode negar que Maria Rita, Sandy e Luiza Posse são as três vozes femininas mais bonitas da atualidade, mas não as vejo na mídia, aliás, vejo muito aquela Stefany, que se autodenomina absoluta.

Talvez ela represente bem o vazio dessa geração.

Vez por outra dou uma passada pelas músicas que meu filho de 15 anos ouve e percebo que a maioria é regravação de músicas que eu ouvia e o restante fala de coisa nenhuma.

Domingo é dia de dar uma olhadinha no que as TVs acham que é sucesso e agora decidiram que aquela Banda Dejavú é a maior!

O ritmo das músicas são sempre iguais, as letras são repetitivas e chatas!

Estamos ficando velhos! Logo Shakiras, Laura Pausini, Lara Fabian, Elba Ramalho, Fafá de Belém estarão fora do cenário e sobrarão apenas as Stefanys.

Voltando à questão da sensualidade, hoje estava vendo umas meninas dançando na hora do almoço na banheira maluca do Celso Portiolli ao som da Banda Dejavú e parecia um monte de prostitutas da beira do cais. Aliás, só que está realmente com muito medo do frio e da chuva para almoçar no domingão vendo a banheira maluca!

É a treva!

Também não dá para comparar Sharika que dança a Dança do Ventre com garotas que dançam na Gaiola das Popozudas.

Sensualidade no Brasil é mostrar o popozão!

Essa época é ótima! Eu fico toda enrolada e coberta até o último fio de cabelo e fico olhando as pirigues de shortinho enfiado andando pelas ruas como se tivesse fazendo 40°!

Podem até dizer que isso é coisa de gente velha, mas não é. Eu sempre fui assim. Achava que o inverno era até uma estação em que as pessoas ficavam mais bonitas e formais.

Hoje em dia faz pouca diferença, pois por onde você olhar vai encontrar pelo menos 10 piriguetes peladas.

Dá até vergonha de dizer que se é brasileiro!

Queremos mais Shakiras e menos vulgaridade!

Sensualidade sim, falta de vergonha não!

Meu lugar


video

sexta-feira, 16 de julho de 2010

O coração não fala


Outro dia eu me encontrava muito triste com todas as coisas ruins que me aconteceram nos últimos tempos e resolvi ouvir o meu coração.


Acontece que me dei conta que o coração é um órgão que apenas bombeia sangue e não diz coisa alguma!

Nossa mente vaga dentre as possibilidades que podem ser viáveis e escolhe a que achamos mais confortáveis, depois dizemos que tomamos essa ou aquela atitude porque ouvimos o nosso coração.

Nem sempre a opção mais confortável é que mais nos dá prazer no final ou é melhor opção, mesmo assim insistimos em dar cabeçadas pela vida por medo do desconhecido ou mesmo por preguiça de mudar uma situação confortável.

Por isso que vemos todos os dias pessoas se dizendo infelizes por esse ou aquele motivo e pessoas sozinhas por medo de arriscar se unir ou mesmo sair com a pessoa “errada”.

As coisas vão se deixando acontecer, as pessoas se acomodam e depois colocam a culpa no coração. Dizem que fizeram essa ou aquela opção por ouvir o coração.

Eu, sinceramente, sentei no escuro e assumi a minha posição de meditação para ouvir meu coração falar comigo e tudo que consegui foi um enorme vazio, uma respiração ofegante e uma puta dor de cabeça por ficar me concentrando em um órgão que só faz bombear um monte de sangue para o meu corpo.

Como a minha mente estava uma bagunça num misto de raiva e indignação, resolvi parar, chorar um pouco e fazer um monte de esforço físico para manter a mente fora do alcance de mim mesma.

Meu filho está com 15 anos e desde o seu nascimento não me lembro de ter sido realmente feliz de novo.

Eu sofri muito para ter um filho! Tive duas gravidezes interrompidas aos 6 meses e, quando finalmente consegui ter meu filho, parece que esgotei todo tipo de felicidade da minha vida.

Todos somos bastante compreensivos com nossas próprias atitudes, mas será que conseguimos entender os anseios das demais pessoas?

Será que sempre justificaremos nossas opções erradas dizendo ter feito o melhor para o momento?

Não será essa falta de visão futura que está transformando a humanidade em zumbis infelizes que vagam pela Terra sem rumo?

Queremos a felicidade agora, temos urgência e isso nos faz agir sem pensar e, certamente nos deixará infeliz no futuro.

Eu não quero mais a felicidade agora, quero deixar para amanhã. Pensarei bem em todos os meus atos, para nunca mais ficar ouvindo músicas antigas e me sentindo melancólica e me perguntando onde foi que errei.

Também nunca mais direi que ouvi meu coração, pois ele não fala, aliás, nem mesmo meu cérebro fala, apenas processa idéias e é isso que farei a partir de hoje.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Pesquisas revelam:


Os resultados podem mudar conforme a moral e os costumes da sociedade e também os novos objetivos financeiros.




Todos os dias os telejornais apresentam um resultado novo de pesquisa:


“- Cientistas revelam que chocolate não engorda e não provoca acne!”


Certamente os produtores do delicioso doce estava tendo muito prejuízo com o resultado alarmante da última pesquisa e resolveram encomendar algo realmente inovador.


Macarrão também não engorda, o grande vilão é o molho que o acompanha, pelo menos até que os produtores de molhos industriais criem caríssimos molhos lights ou provem que os seus molhos são leves e sem calorias.


Houve um tempo em que se acreditava que tomar uma xícara de café antes de dormir ajudava contra a insônia. Lógico que isso foi na época em que o café era produzido em larga escala para consumo interno, pois hoje em dia, tanto faz, pois o que não for consumido no mercado interno, certamente será exportado com lucros exorbitantes.


Hoje eu vi mais uma pesquisa sobre os malefícios da nicotina no organismo e me lembrei da década de 80 onde o máximo era fumar! Agora fumar pode reduzir até o QI de uma pessoa!


Comer amêndoas fazem a reposição hormonal feminina e tomar um copo de vinho por dia previne o câncer.


Por falar em câncer, no outro dia vi uma pesquisa de pesquisadores europeus que afirmava que o sangue retirado de pulgas de carrapatos e pulgas de animais domésticos poderia prevenir a doença!


O que os fabricantes de xampus e talcos antipulgas iram reagir quando as pessoas ao invés de combatê-los começarem a comê-los?


E ai vai um carrapatinho mal passado ai?


Se a gente começar a acreditar em todas essas baboseiras e começar a comer isso ou aquilo vai acabar ficando mesmo maluco!


Houve um tempo em que a tia de minha mãe criava aqueles bichinhos do amendoim porque começou uma onda que dizia que ele fazia emagrecer até 5 kg por semana. Ela peava uma colher de café daqueles pequenos vermes e comia vivo logo pela manhã, em jejum. Se eu levantar da cama e comer um bichinho daquele vivo que seja durantes uma semana vou emagrecer 10 kg, não 5, pois vomitar até a minha alma e não conseguirei comer mais nada durante dia, meses e, quem sabe, anos!


Sempre que alguém ficava nervoso sempre se oferecia um copo de água com açúcar, nos dias de hoje se afirma veemente que açúcar demais causa agitação, principalmente nas crianças.


A água acelera o metabolismo e auxilia no emagrecimento, mas isso foi antes, pois já se afirma que água demais pode causar insônia, agitação e que pode não fazer muito bem...


Nem a pobre da água escapou das tais pesquisas.


Eu, particularmente prefiro levar a minha vida sem pensar muito nessas imbecilidades: Como e bebo o que tenho vontade, afinal, todos nós vivemos muito bem até os 60 anos, depois disso começamos a apresentar uma série de defeitos e passamos a ser alvos das “experiências” de médicos que pouco ou nada entendem do funcionamento real de um corpo humano. Remédios passam a ser habituais em nosso cotidiano e a cada vez que tomamos um para “curar” algo, acabamos por prejudicar alguma outra coisa qualquer, pois ainda não vi uma só bula sem efeitos colaterais.


Pesquisas revelam: A cada dia existe menos pessoas que acreditam na seleção brasileira, no governo, no fim da violência, em curas milagrosas ou em pesquisas reveledoras.

domingo, 11 de julho de 2010

Falta incentivo para tudo

Essa semana resolvi assistir a primeira temporada da série norte americana Glee.


Fiquei realmente impressionada com a qualidade dos atores contratos.

No Brasil não temos nenhum programa que sequer chegue perto da produção de Glee. Vez por outra monta-se um musical, mas não se leva a diante por falta de atores jovens que possam dar continuidade.

Eu fiquei pensando na série “novelinha” brasileira Malhação. Todos os jovens brasileiros sonham em participar de Malhação nem que seja para fazer uma “pontinha”.

Todos os anos o elenco é renovado e vários jovens que experimentaram o gostinho da fama temporária, acabam sendo esquecidos por completo. Não há um amadurecimento profissional.

Há quem diga que a série aborda temas de interesse dos jovens, mas, para mim, é uma chatice que todos os anos mostra uma menina que engravida do namorado, sofre de anorexia, tem os pais separados ou algum conflito racial.

A série norte americana mostra tudo isso com uma pitada de humor e ainda monta musicais maravilhosos.

O brasileiro não gosta de musicais e se despenca até a Broadway para vê-los.

No Brasil não se investe em educação em nenhum nível e, quando algum jovem sobressai em algum projeto social, tem que sair do Brasil para alcançar um objetivo maior.

Temos um país tão grande, tão cheio de diversidades, por que não aproveitar os nossos talentos?

Por que não vitalizar o centro do Rio de Janeiro e transformá-lo em lugar com grandes casas de espetáculos com grandes produções para que o turista possa vir ao Rio não só para conhecer as nossas praias, mas também os nossos talentos.

Musicalmente, temos muitos talentos reconhecidos internacionalmente, temos muitos shows, mas espetáculos musicais são muito poucos para a dimensão de nossas terras.

Mesmo quando se monta um espetáculo desse tipo, normalmente é alguma versão de algum espetáculo internacional.

Não vejo nenhum autor escrever um musical.

A TV aberta é hoje a maior piada que existe e mesmo a TV a cabo ou satélite no Brasil é uma piada cara e de mau gosto.

Na TV aberta temos uma quantidade enorme de apresentadores fazendo programas de gosto duvidoso, telejornais que se prendem mais ao sensacionalismo do que à informação e um monte de novelas que não chegam nem a empolgar.

A TV a cabo passa 15 minutos de programação e 10 minutos de propaganda. Ainda outro dia dormi na propaganda da série 24 horas e acordei na Kadrabra. Dá sono assistir qualquer coisa na TV a cabo.

Acho que a única coisa que se consegue incentivo nesse país é para ser “Maria Chuteira”.

A vida está mesmo muito ruim no Brasil, apesar dos políticos afirmarem que não.

Eu realmente gostaria de ver mais incentivos culturais. Gostaria de ver investirem em nossos atores e atrizes ao ponto de torná-los estrelas mundialmente famosos.

Gostaria de ver filmes bem produzidos e elaborados.

Da maneira em que as coisas estão a única diversão do brasileiro é tomar cachaça, pois um espetáculo de humor está custando 70,00 a entrada! Duas pessoas, 140,00.

Mais o taxi ou o estacionamento... Pronto! Acabou o dinheiro!

Temos que trazer mais diversão e arte para a população!

Onde estão os professores de teatro e música dos colégios que organizavam festivais, competições e peças teatrais?

Nos dias de hoje só vejo igrejas encenando histórias bíblicas e padres montando aulas de violão para conquistar coroinhas.

Aliás, a série que gerou essa discussão toda se passa em uma escola pública dos EUA!

Nisso eu tenho que admirar esse povo: Eles são competitivos em tudo.

Competem em soletração, líderes de torcida, campeonato de futebol, beisebol, canto, dança e até campeonato de pular corda.

Quem não aprende a competir desde pequeno, não aprende a viver em sociedade e nem a se desenvolver!

Que tal começarmos a estimular esse tipo de competição?

Vamos lá, autoridades, vamos estimular essa garotada a competir. Garanto que no futuro teremos profissionais bem mais ativos, pois não adianta simplesmente impor um código de ética para que o funcionário produza.

sábado, 10 de julho de 2010

Rebolation

Tem dias em que a gente acorda e dá tudo errado.




Aquele era um dia daqueles! Estava mesmo difícil até para respirar!


Acordei atrasada para aula, trocaram a aula de informática que o professor chegava sempre atrasado pela aula de matemática, o ônibus não passava, enfim, parecia um inferno.


Quando a aula terminou meu marido me esperava na porta do cursinho com a cara mais desesperada que eu já tinha visto na vida!


Nessa hora eu pensei que meu filho tinha sofrido algum tipo de acidente, não sei, mas sabia que o meu dia não ia terminar bem.


Sumiu dinheiro de nossa conta bancária e eu teria que ir ao centro do Rio com ele, já que por telefone não conseguimos resolver.


Pegamos o trem lotado, fomos 1h15min em pé, caminhamos sob sol forte.


Chegando ao banco, não conseguia fazer o idiota do gerente entender que estornou um cheque da nossa conta duas vezes, foi uma verdadeira loucura.


Quando finalmente conseguimos resolver o assunto do cheque já estava quase na hora do banco fechar.


Resolvemos pegar o ônibus no ponto final, pois depois de um dia como aquele ninguém merecia voltar em pé para casa.


Lógico que o ônibus foi enchendo pelo longo do caminho e as pessoas começavam a se acotovelar, afinal seria mais 1h de viagem!


Quando o ônibus pegou a seletiva e não tinha mais para onde o motorista desviar, um rapaz aparentando uns dezenove anos começou a fazer movimentos suspeitos bem na frente e ao meu lado.


Como eu já tinha passado por uma situação desagradável nesse mesmo coletivo, fiquei atenta a todos os movimentos do suposto marginal.


Para piorar a situação, noto que o rapaz começa a gesticular para outros dois que estava mais atrás.


Naquela hora já imaginei onde ia jogar minha bolsa, olhei para o meu relógio e me despedi dele, pensei nos cartões de banco e na dificuldade de tirar a minha 5ª via da carteira de identidade.


Acreditem, já perdi 4 carteiras de identidade!!


O rapaz continuava com aquela cara de “gato que ia comer o canário ou pescar o peixinho no aquário” e eu me desesperava a cada instante.


Não sabia se contava para o meu marido que tagarelava ao meu lado sem perceber nadica de nada do que estava acontecendo ou se prestava mais atenção no sujeito.


Já na altura da entrada de Campo Grande o rapaz grita:


- Todo mundo com a mão na cabeça!


Mão na cabeça? Todos ficaram perplexos, isso é coisa de policial!


Seria algum policial disfarçado? Seria aquele jovem mais velho do que aparentava? Havia algum suspeito no ônibus?


Como ninguém obedeceu, além de uma senhora que pedia em nome de Jesus para que ele tivesse piedade porque ela tinha um marido deficiente que dependia dela, ele tornou a ordenar:


- Todo mundo com a mão na cabeça!


O motorista se desesperou, os passageiros começaram a colocar as mãos nas cabeças e esperar a próxima ordem e eu, como estava ao lado dele, esperei que ele nem notasse minha presença.


Meu marido me deu uma ou duas cutucadas querendo entender o que acontecia e eu nem me movia.


Veio a segunda ordem:


- Que vai começar! ...


Um enorme silêncio em um ônibus lotado...


Segundos pareceram horas...


E o infeliz me diz isso:


- O Rebolation, o retolation, o rebolation, on, on ...


Falou isso com a cara mais feliz desse mundo!


Eu agarrei nas pernas do cara e joguei o infeliz no chão, o motorista freou, pois já havia entrado em Campo Grande, as pessoas começaram a bater no rapaz desesperadamente e, num gesto de misericórdia, o motorista colocou-o para fora pela camisa!


O que passa pela cabeça de um cara desses?


Quer morrer?


Pegar um ônibus como aquele que não passa, acontece. Com pessoas cansadas que estão indo para longe?


Pessoas são pessoas...


Meu marido riu da situação toda e eu me senti vingada por ter sido a primeira a dar “uma lição” no “molequinho”.

Alguém tem o endereço...

Da educação? Ela se mudou junto com o “Dá licença”, o “por favor” e o “muito obrigado”. Não deixou endereço , Mas às vezes a gente esbarra com eles nos lugares mais inesperados como vou mostrar adiante.




Diz minha sogra , que eu tenho uma excelente educação . Bem eu não acho. Mas a verdade é que minha avó paterna não admitia palavrões. Me lembro de um dia na casa de vovó , quando eu tinha uns cinco anos . Meu pai estava consertando o galinheiro dela. De repente errou o martelo e acertou o dedo. Claro que soltou um sonoro “MERDA!”. Minha avó calmamente levantou-se , se aproximou , e deu-lhe um tapa na boca . A cena impressionou-me . Como podia aquela velhinha bater em meu “Super-herói”? Na verdade , meu pai também não falava palavrões, pelo menos até eu me tornar adolescente. Admito que eu é que “avacalhei” o “velho”!


Mas, se tenho mesmo boa educação , não soube transmitir isso ao meu filho . Ontem ele disse:


“Vou consertar o computador aquela mulher da outra rua!” . Eu corrigi: “Você quer dizer que vai consertar o computador DAQUELA MOÇA que mora na outra rua não é” . Ver meu filho comendo, dá uma idéia de onde Spielberg tirou a idéia de filmar “TUBARÃO”. Quando não arrota pra casa inteira ouvir.


Já na família de minha esposa , cito meu cunhado. Sempre estudou em colégios pagos. Teve até um minicarro á gasolina quando em criança . Pois bem: já espancou algumas ex-namoradas ao melhor estilo Bruno . Da última vez que esteve aqui em casa ficou aos berros :”ÔÔÔÔÔÔ , O VASCÃO VOLTOU!” (Para a 1ª divisão) . Gritar em casa alheia já e de péssima educação . Falar de Vasco em casa de flamenguista então, é como falar de corda em casa de enforcado!


Entretanto... sexta-feira por absoluta falta de opção fui almoçar em um restaurante do governo estadual . Nesses lugares o melhor é não tirar os olhos do próprio prato sob pena de ver alguma coisa de tirar o apetite. Outro dia um cara misturou a sopa com o resto da comida fazendo uma repulsiva mixórdia.


Estava na mesa quando se aproximou uma senhora quase obesa com duas meninas, provavelmente suas filhas . As roupas eram de lojas populares e estavam bem gastas . Pareciam pessoas de alguma comunidade carente . Pensei comigo “Lá vem encrenca!” . (Olha aí a discriminação que e gente diz que não tem!) . A mãe virou para a mais velha , que devia ter uns oito anos e apontou pra mesa onde eu estava:


_ Sulamita , vai naquela mesa e pega o azeite!


A menina aproximou-se e pra meu espanto disse-me:


_ Moço , dá licença?


“Claro” respondi eu . Ela levou o azeite (Ou aquilo que chamam de azeite) . Serviram –se , e em seguida ela levantou-se de novo , veio à minha mesa devolver-me a bisnaga: “Obrigada viu?”.


Passei a observar a menina . Ela abriu o saco de talheres, pegou a colher para comer . Imediatamente sua mãe repreendeu-a:


_Sula , não estamos em casa. Colher é só pra comer sopinha. Usa o garfo e a faca!


Sulamita obedeceu . Não posso dizer que tenha tido a destreza de uma condessa. Mas fez melhor que muito marmanjo que eu vejo por aí . E , pra me deixar ainda mais perplexo, o prato principal era frango . Pois não é que ela destrinchou-o usando os talheres? Ficou mais carne grudada no osso do que ela comeu. Mas em momento algum ela usou as mãos .


Fica demonstrada a tese que dinheiro e educação nem sempre são grandezas diretamente proporcionais . Ou ainda que não é um bom gramado que impede o surgimento de uma erva daninha . Em contrapartida no meio das pedras podem sim, brotar orquídeas .


E, mesmo sabendo que ela nunca vai ler esse texto, faço questão de dar os parabéns para a mamãe da Sulamita. Que apesar de sua visível humildade soube dar à sua filha uma notável educação!

Para Sempre



Ele era apenas uma pessoa simples que gostava de se aventurar.
Ela apenas gostava de estar em seu mundo.
Em páginas viradas da vida acabaram se encontrando entre garrafas de vinho barato e fumaça de cigarros.
O gosto da aventura em seus lábios os uniu, mas a vida não facilitou em nada e, com o tempo, a alegria se foi.
Ele é apenas uma pessoa que vive em seu mundo.
Ela é alguém que nem sabe mais viver.
Quando foi que paramos de acreditar?
Quando foi que sorrir passou a doer?
Ele era apenas uma pessoa simples.
A vida era algo muito complicado para ela.
Entre milhares de garrafas de vinho barato os sonhos se perderam.
Quem foi que disse que chorar é mais fácil do que sorrir?
Quando sonhos se perdem no tempo é porque nunca se permitiu que realizassem.
Ela era apenas uma pessoa complicada.
Ele era apenas um rapaz da cidade.
Mas foram felizes antes que o para sempre acabasse...

quinta-feira, 8 de julho de 2010

O vacilão do ano



Bem , como adentramos a segunda metade desse glorioso ano de 2010 , chegou a a hora de preocuparmo-nos em eleger os “Melhores do Ano” . Poe exemplo:
O estressado do ano : Dunga. O cara tinha nas mãos os melhores jogadores do mundo. Conseguiu fazê-los jogar um futebol previsível e burocrático . e ainda dfesfiou um rosário de impropérios para o repórter da Globo na coletiva . Imaginem se essa criatura tivesse de treinar a seleção da Letônia? Com certeza ia matar alguém.
Antes de prosseguir , quero deixar registrado meu protesto: Sou Flamengo (Só falta a nêga chamada Tereza) . Graças ao “Caso Bruno” . ouvi um cara dizer hoje na rua: “ No Flamengo só joga maconheiro e assassino!” . MENTIRA!!! Maconheiro não! No Flamengo todo mundo é “Chefe de Boca” (Vide Adriano e Wagner Love). Maconheiro , só alguns torcedores (Opa! Eu não!).
Mas , voltando a vaca fria. Agressão física de qualquer natureza, é um fato reprovável. Desde o sec XVII . Se essa agressão é cometida contra uma mulher... Pior ainda. Pois o cara vai pra TV defender uma “troca de tapas” entre casais como uma coisa natural.
Depois, se mete com uma garota que é mais rodada que Fusca 62. Até o Cristiano Ronaldo (Que há quem diga que não gosta muito da fruta) Passeou por aquelas grutas. Em resumo : no SAMUD FUTEBOL CLUBE não deve faltar nem gandula . Acho que a Elisa “testou” mais jogadores que o Dunga pra compor a seleção . Nosso treinador experimentou “Só” 85.
Depois , engravidou a Maria Chuteiras . Há quem divulgue aqui na Imprensa Marronzista (Como diria Odorico Paraguassú) carioca , que ele até usou camisinha . Mas deixou ela no lixo. Elisa foi lá , resgatou os espermatozóides abandonados , e ensinou-lhes o caminho das pedras (Ou seria das pepitas?).
Depois , bolou o assassinato mais atrapalhado da história .Quem mandou envolver um cara chamado “macarrão”? se ainda fosse um Fetucchini . Primeiro deram uma coronhada na garota. Depois já foram três . depois estrangularam . Depois desossaram . Depois deram as carnes pros cachorros comer . Pesquisa direitinho: Essa dona deve ter algum parentesco com Rasputin .
Se os cachorros comeram Elisa , eles defecaram Elisa certo ? Fico imaginando eu na cena: Acha-se resquícios de DNA nas fezes caninas. O pai dela se desespera e grita: ”Minha filha o que fizeram com vocÊ!!” E eu do lado pensando : “È Elisa, tudo isso aconteceu... E você não mudou nadinha!”
Note-se que eu ratifico que nada justifica essa brutal atitude do goleiro rubro-negro. Mas ... passarinho que come pedra sabe o papo que tem . Há quem diga que agora o Bruno vai se transferir do Flamengo para o Bangu... Bangu 1 !
Adivinhem quem eu indico pra vacilão do ano?